O Mundo Bastante Sombrio e Diverso de Sabrina

Mundo Sombrio de Sabrina estreou há uma semana e já encantou 95% dos usuários
no Google. Trata-se de uma série baseada no HQ Sabrina – Aprendiz de Feiticeira, história
popular nos anos 90 que contava as aventuras de uma jovem bruxa mestiça – seu pai era
bruxo e se casou com uma humana. A série já foi produzida pela Nickelodeon anteriormente, levava o mesmo nome da HQ.

Desde as primeiras notícias sobre a produção, gostei da ideia, e procurei me aprofundar. Passadas semanas vi que os produtores não hesitaram em inserir um caráter dark à série, e ao assistir consegui confirmar tudo o que estava sendo divulgado.

Representatividade

Ponto positivo e bem explorado na série é a representatividade étnica e ideológica no
elenco e no roteiro. Temos homos, bis, trans além de negrxs em personagens que realmente
têm uma história – fugindo daquele padrão em que pessoas LGBTQ+ estão no drama de sair do
armário, ou a pessoa negrx que tem pouca importância e não se posiciona em assuntos críticos
em relação à sociedade. Também podemos ver em Sabrina uma menina que sabe bem os
valores dos dois lados da moeda e tenta se equilibrar, evitando atos ou tradições que podem não ser positivas para a sua comunidade. De certa forma, até se posiciona de maneira descrente em alguns momentos.

Claro que temos alguns clichês de séries adolescentes, como a inimizade entre Sabrina e as Irmãs estranhas, que vivem atormentando-a por ser metade bruxa, metade humana. Os maus tratos vão desde perseguições a torturas físicas e psicológicas, que reforçam ainda mais seu tom maquiavélico.

Ainda estamos apenas na primeira temporada (a Warner cogitou apenas duas partes, mas parece que teremos mesmo uma segunda). Mas a história de Sabrina Spellman me prendeu e contagiou pela misturinha deliciosa de ocultismo com tramas adolescentes e personagens desconstruídos inseridos num cenário fantástico para nós, espectadores amantes de um bom suspense.

Nota: 8

Please follow and like us: