Entrevistamos Mark Russel, autor da série “The Second Coming”

Mark Russell já escreveu quadrinhos relevantes como Behind The Flinstones, Super-Gêmeos e Red Sonja. Mas foi com um que ainda nem saiu nas bancas que ele alcançou seu momento de maior notoriedade. Após uma série de protestos reacionários frearem o lançamento do álbum The Second Coming, ele solicitou os direitos dos quadrinhos de volta para a DC Comics e resolveu seguir adiante. Chateado? Ele garante que não. Nesta terça-feira, o autor conversou por e-mail com o POPOCA sobre todo o caso. Confira o papo:

POPOCA: Antes de mais nada, qual foi o momento exato em que você pensou “cara, eles estão adiando muito. Tem alguma coisa errada”?
Mark Russell: Eu não pensei muito nisto quando me disseram que queriam atrasar o lançamento, mas quando me falaram que pedidos de mudança no roteiro estavam chegando  percebi que era provavelmente um adiamento maior do que estava esperando.

 

POPOCA: Você pode dizer quais seriam as “mudanças significativas” ou mesmo as “pequenas mudanças” que você falou a respeito na entrevista ao SyFy?

 

Mark Russell: Nós nunca chegamos ao ponto de que fizessem pedidos específicos por “mudanças significativas” porque pedi os direitos de volta assim que ouvi que estavam para pedir. Minhas prioridades foram manter a integridade do projeto e divulgá-los aos leitores em tempo hábil. Já havíamos feito algumas pequenas mudanças que, na minha opinião, não afetavam realmente a qualidade do projeto como um todo, tirando alguns palavrões (não havia muito para começar) e tirando a nudez de uma cena do Jardim do Éden , mas não estava realmente interessado em fazer qualquer alteração na história em si.
SecondComing

 

POPOCA: Você disse mais de uma vez que este não foi um rompimento amargo, mas soa difícil de entender quando pensamos que isso rolou com o selo Vertigo, criado exatamente para dar liberdade aos artistas. O que você pode nos dizer de positivo da DC em todas estas situações?
Mark Russell: A DC me deu muita liberdade nestes anos. Os editores me deixaram escrever um subversivo quadrinho dos Flintstones e transformar a Pantera Cor-de-Rosa em um dramaturgo gótico e gay do sul que entra em conflito com o Comitê da Câmara sobre Atividades Antiamericanas na década de 1950 … então a ideia de que uma história em quadrinhos sobre Jesus Cristo poderia ser uma ponte longe demais para eles deve ser entendida dentro do contexto deles me dando tanta liberdade artística em geral. E a equipe de edição estava tão empenhada em contar essa história quanto Richard e eu… Então não há ninguém para eu ficar realmente zangado. Acho que a DC ainda está comprometida com a liberdade artística e contando histórias interessantes, essa história em particular estará melhor indo para uma editora diferente.

 

POPOCA: Vamos voltar ao começo. Por que um quadrinho que mistura Jesus com super-heróis? Por que você acha que esta é uma história que precisava ser feita?
Mark Russell: Porque os quadrinhos de super-heróis são, no fundo, uma reflexão sobre o poder. Mas os super-heróis, sendo poderosos por natureza, estão sempre do lado de usar poder e força física para resolver os problemas do mundo. Eu achava que os quadrinhos precisavam de um contra-ponto. Alguém que também era bom, mas comprometido com soluções por outros meios. Essa pessoa, senti, deveria ser Jesus Cristo porque representa perfeitamente essa filosofia e porque tenho uma história pessoal com o cristianismo.

 

POPOCA: Aqui no Brasil, aí nos Estados Unidos, estamos assistindo estas reações de movimentos de extrema direita que querem mudar o mundo em algo que o Super-Homem ou o Capitão América não aprovariam. Mas você se manteve firme. Fale a respeito.

 

Mark Russell: O tempo para ficar firme não é quando tudo está indo bem e seus valores estão em ascensão. A hora de ficar firme é quando você está sob cerco e o mundo está lentamente se infiltrando no fascismo global. O problema do alt-right e do fascismo, tanto nos EUA como no mundo, é que quando as instituições do nacionalismo e do poder falham e arruinam suas vidas, em seu medo, as pessoas se apegam ainda mais firmemente a essas instituições. Portanto, não há incentivo real para os responsáveis desses movimentos melhorarem a vida de seus cidadãos. Então, acho que precisamos de uma revista em quadrinhos que explora alternativas ao poder e às instituições que cria.

 

POPOCA: Por último, mas não menos importante: algum editor ou editora já contatou você para publicar Second Coming?
Mark Russell: Fui contatado por alguns editores. Estou confiante que Second Coming será publicada e logo.

 

Please follow and like us:

Related Post