Assistimos* “Christopher Robin – Um Reencontro Inesquecível”

*Choramos também!

Todo homem adulto sente saudades de sua infância na mesma intensidade em que evitar pensar nela. Somos tomados por uma necessidade de focar nas “coisas importantes” e não pensar no passado sob custo de perder de vista o que precisamos produzir. Christopher Robin – Um Reencontro Inesquecível fala sobre a importância de entendermos como sentir – e reviver – esta infância pode nos ajudar não simplesmente a produzir melhor, mas principalmente a sermos melhores. Vamos à sinopse?

O pequeno menino Christopher Robin cresceu e é um adulto (Ewan McGregor), que não embarca mais em aventuras ao lado do Ursinho Pooh (ou Puff, sei lá) e outros adoráveis animais no Bosque dos 100 Acres. Apesar de ser um importante homem de negócios, parece ter perdido o rumo de sua vida e das coisas realmente importantes, mas seus amigos de infância decidem entrar no mundo real para ajudá-lo a se lembrar de quem já foi. Ou é. Vale lembrar, todos estes amigos – e o próprio Christopher – foram criados por A.A. Milne.

 

Christopher Robin é um filme bobo sob muitos aspectos. Muitas vezes soa pretensioso e quase óbvio, mas tudo se torna positiva com a direção sensível de Marc Foster aproveitando o ótimo roteiro de Alex Ross PerryAllison Schroeder. Apesar de alguns clichês e caminhos óbvios, o ritmo do filme sempre recupera e deixa o espectador emocionado antes de qualquer tédio.

Christopher & Pooh (Puff)

Cada personagem criado por Milne incorpora um aspecto da nossa própria criança ou de infantes comuns (há quem ache que na real representam doenças mentais, mas eu acho isso bem doido). Pooh (ou Puff) é a criança com um “coração grande demais”, que em momentos de tristeza acha que isto é ter o  “cérebro muito pequeno”. Leitão (Piglig) é o contraste entre o medo do novo e o impulso de seguir os amigos, Bisonho um típico bronquinha, Tigrão, a criança que quer sempre se colocar em novas aventuras etc.  E Christopher, que sempre foi uma criança comum, não deixa de ser como qualquer menino-que-cresce. Nos tornamos gente chata que muitas vezes não sabe brincar e perde os amigos.

O que o filme ensina é que os melhores amigos sempre trazem a gente de volta e nos perdoam por tudo. Afinal de contas, se reencontrar e ser você mesmo passa por se perdoar também. Em uma fábula infantil, feita para adultos, Christopher Robin – Um Reencontro Inesquecível é um filme sensível porque também é um aviso para cada adulto e família não deixar de colocar na sua pasta as “coisas extremamentes importantes” que realmente valem.

Tiago chorou como um ninja silencioso sim

Please follow and like us:

Related Post